Categories
Sexo

Como lidar com medicamentos que diminuem sua libido

Muitos medicamentos podem realmente salvar vidas, mas um efeito colateral frustrante deles é que eles podem matar sua vida sexual. Esteja você tomando algo tão simples quanto um anti-histamínico ou tão sério quanto medicamentos para o câncer de próstata, há toda uma série de tratamentos que podem diminuir sua libido de uma chama constante para um crepitar – ou talvez extinguir tudo junto. A boa notícia (sempre temos boas notícias!) é que existem estratégias para ajudá-lo a superar esse efeito colateral, começando aqui.

Converse com seu médico ou farmacêutico

O primeiro passo para lidar com a diminuição da libido devido aos remédios é… falar sobre os remédios, diz o farmacêutico Daniel Breisch, da MVP Pharmacy em Sandy, Utah. E nós entendemos: pode ser muito estranho trazer isso ao seu médico, mas você não deve pensar demais. Uma queda na libido é um problema comum quando as pessoas começam a tomar remédios ou trocam de remédios. Além disso, a saúde sexual faz parte de sua saúde geral – e seu médico está lá para ajudar com ambos.

“Como provedores de saúde, estamos aqui para ajudar e queremos que você fale conosco sobre isso”, diz ele. “Quaisquer que sejam os efeitos colaterais que você está tendo, pode haver outro medicamento semelhante que você possa tomar que tratará sua condição médica sem esses efeitos”.

Faça uma revisão de medicamentos

Se não é um único medicamento que está causando um problema, pode ser um efeito colateral de como seus medicamentos estão funcionando em combinação, de acordo com Donald Mack, especialista em medicina geriátrica do The Ohio State University Wexner Medical Center em Columbus.

“As pessoas às vezes acreditam que há um único banco de dados onde todas as informações de seus medicamentos são armazenadas, o que significa que podem ser verificados automaticamente para possíveis interações”, diz ele. “Isso seria incrível, mas, infelizmente, isso não existe agora.”

Por exemplo, se você procurar novos especialistas ou desenvolver uma nova complicação para sua condição, poderá receber novos medicamentos para adicionar ao seu regime – e se eles causarem efeitos colaterais, é possível que seu médico sugira ainda mais medicamentos para lidar com eles. Isso é chamado de “cascata de prescrição”, diz o Dr. Mack. Tomar o tempo para passar por todos os seus medicamentos com seu médico de cuidados primários ou farmacêutico pode descobrir algumas combinações de matar a libido que podem ser modificadas.

Aprenda a desestressar

Se sua medicação for ajustada e sua falta de interesse em sexo permanecer – ou se seu médico informar que não há substituição para os remédios que você está tomando – então é hora de começar a pensar em outras maneiras de reacender esse fogo. Uma estratégia importante é lidar com o estresse, diz Eric Ascher, médico de medicina familiar do Lenox Hill Hospital, em Nova York. “Recentralizar seu foco é importante”, diz ele. “Permitir que sua mente deixe seus estressores sobre trabalho e lutas com finanças fora do quarto permitirá que você aproveite mais suas experiências.”

Um estudo sobre estresse crônico e função sexual o apoia. A pesquisa, publicada no The Journal of Sexual Medicine, mediu a excitação psicológica e física das mulheres quando assistiam a um filme erótico. Aqueles com estresse crônico e alto estavam mais distraídos enquanto assistiam e menos capazes de ficar excitados como resultado. Outro estudo publicado no Archives of Sexual Behavior descobriu que maiores quantidades de estresse tendem a diminuir os níveis de testosterona, o que afeta negativamente a libido nos homens.

Exercite-se estrategicamente

A atividade física é útil a qualquer hora do dia para benefícios como a saúde cardiorrespiratória, mas para sua libido, Dr. Ascher sugere se exercitar mais perto do horário em que você planeja fazer sexo. “Exercitar-se antes da relação sexual é útil não apenas para sua saúde mental e emocional, mas também para aumentar o desejo sexual”, diz ele. “O exercício bombeia sangue para os órgãos necessários e aumenta as endorfinas, também conhecidas como seus hormônios de ‘sentir-se bem’”.

Se isso não funcionar para a sua agenda, tente espremer um treino no início do dia, mesmo que seja curto. Um estudo do Journal of Education and Health Promotion examinando as conexões entre exercício e sexo descobriu que não se trata apenas de aumentar seu fluxo sanguíneo: o mero ato de se exercitar melhora sua autoestima, dizem os pesquisadores, o que, por sua vez, aumenta sua libido.

Divirta-se

Algumas pessoas podem ter um desejo sexual que liga e desliga, como um interruptor de luz. Mas se você for como a maioria das pessoas, seu desejo sexual está mais para um interruptor mais fraco, o que significa que apenas um pequeno empurrão de uma maneira ou de outra pode aumentar ou diminuir. O toque físico é uma maneira importante de começar a mover esse controle na direção certa, diz o Dr. Ascher.

Coisas como dar as mãos ou tocar suavemente, ou até mesmo brincar com uma luta amorosa, podem ajudar a aumentar a excitação lentamente, mesmo que não seja explicitamente considerado preliminares sexuais. É a conexão física que é importante, diz o Dr. Ascher. O contato físico entre parceiros é o que desencadeia um aumento nos níveis de oxitocina, às vezes chamado de “hormônio do amor”, porque causa sentimentos de proximidade e vínculo.

Tente algo novo

Esteja você tentando superar os efeitos da medicação ou não, o sexo entre parceiros muitas vezes pode se tornar rotina ao longo do tempo, e é por isso que introduzir novidades é tão útil, diz Dr. Ascher. Isso pode ser erotismo, interpretação de papéis ou falar sobre fantasias. “Voltar-se para um romance ou vídeo picante, ou ter uma roupa ‘safada’, ou até mesmo começar uma conversa sexy pode ajudar a promover uma experiência sexual agradável”, diz ele. “Tente algo novo no quarto. Adicionar tempero, brinquedos, comida e alternativas à sua rotina sexual normal pode melhorar o humor.”

Sua versão de “novo” também pode ser conversar com um terapeuta sexual certificado em conjunto ou separadamente, para obter mais estratégias e ideias que possam melhorar o desejo sexual e a função específica de suas necessidades. Acima de tudo, acrescenta Ascher, seja paciente. Pode levar tempo para ajustar as dosagens ou tipos de medicamentos, ou para lidar com as dificuldades que sua condição crônica lança em seu caminho.

A notícia encorajadora: a maioria das pessoas com condições crônicas encontra maneiras e soluções alternativas para continuar tendo uma vida sexual feliz com seu parceiro. Continue indo atrás dele, mesmo quando estiver menos animado do que costumava estar. Eventualmente, você descobrirá a fórmula certa para recuperar sua libido ao seu antigo calor.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.