O objetivo de um pedido de desculpas é reconhecer sentimentos feridos, expressar arrependimento pelo erro ou mal-entendido e fornecer um plano para evitar uma repetição.

No entanto, a frase “Sinto muito” não transmite nada disso. Merriam-Webster define a palavra desculpa como “sentir tristeza”. Mas sentir tristeza sobre o quê? Tristeza por ter sido pego? Tristeza que uma conversa emocional de repente é necessária? “Sinto muito” é uma frase vazia na melhor das hipóteses e rapidamente se torna tóxica. Juntar essas palavras é mostrar como não ser humano:

  • Sinto muito se você se machucou.
  • Sinto muito se você levou as coisas da maneira errada.
  • Sinto muito se você não gosta do que eu fiz.
  • Sinto muito se você está com raiva.
  • Me desculpe se…

Alguma dessas frases já fez você se sentir compreendido, visto, validado e seguro em seu relacionamento? Provavelmente não.

Por que você deve fazer as pazes em vez de apenas pedir desculpas

A Fundação Hazelden Betty Ford, uma das organizações originais de recuperação de vícios, diz: “Pense em reparações como ações tomadas que demonstram seu novo modo de vida, enquanto desculpas são basicamente palavras. Quando você faz as pazes, você reconhece e alinha seus valores às suas ações, admitindo irregularidades e, em seguida, vivendo de acordo com seus princípios.”

Desculpas não atingem os objetivos de reconhecimento ou alinhamento. A frase “me desculpe” é muitas vezes vazia e desprovida de significado. No entanto, todos somos ensinados desde a infância que, quando magoamos alguém, devemos dizer “me desculpe”.

Desculpas são ótimas para erros simples e cortesia comum. Porém cortes relacionais mais profundos exigem algo mais forte do que um pedido de desculpas, o que nos leva ao tópico das reparações.

Como fazer as pazes

Fazer as pazes é uma ótima maneira curar feridas sentimentais. Para fazer isso, usamos um método que chamamos de Quatro O’s. Você notará que as palavras sinto muito estão visivelmente ausentes nestes métodos. A implementação dessa ferramenta pode economizar horas de terapia e milhares de reais, e seguir esse script diminui drasticamente a necessidade de conversas longas e repetitivas.

Os quatro O’s:

  • Observe e domine seu comportamento. (“Admito que fiz/não fiz…”)
  • Observe como seu comportamento afetou seu parceiro. (“Imagino que você deve ter sentido…”)
  • Oriente-se para não repetir o comportamento. (“No futuro, evitarei isso…”)
  • Ofereça-se para ouvir se ele precisar compartilhar mais alguma coisa sobre seu comportamento. (“Há mais alguma coisa que você precisa que eu saiba sobre como isso te afetou? Estou disposto a ouvir.”)

Vamos dar um exemplo de como isso pode se parecer na prática. Digamos que uma pessoas seja uma contadora. No início da semana, seu marido prometeu cuidar das crianças no sábado de manhã para que ela pudesse trabalhar.

Eis que o sábado de manhã chega e o marido vai para algum lugar e perde a noção do tempo, e o dia da contadora é rapidamente engolido pelos cuidados exigidos por seus dois filhos pequenos. Um pedido de desculpas básico seria simplesmente dizer: “Desculpe o atraso”. Um pedido de desculpas tóxico seria se ele dissesse: “Bem, eu também tinha coisas para fazer. Sinto muito se você perdeu seus prazos, mas é assim que as coisas acontecem”.

Nem um pedido de desculpas básico e nem as desculpas tóxicas transmitem empatia. Antes de saber dessa informação, as desculpas eram mais um esforço instintivo para evitar se sentir culpado, em vez de uma tentativa de reparação genuína do relacionamento.

Em vez de se desculpar, se o marido tivesse oferecido uma reparação, seguindo o métodos dos quatro O’s, soaria assim:

  • Perdi totalmente a noção do tempo e não mantive minha promessa de cuidar das crianças.
  • Imagino que você deve estar zangada e com medo de perder o prazo no trabalho.
  • No futuro, tentarei não encher minha lista de tarefas quando me comprometo a fazer algo por você.
  • Há alguma coisa que você precisa que eu saiba sobre como isso afetou você? Estou disposto a ouvir.

O uso desta técnica realiza várias tarefas:

  • Usar uma declaração de empatia permite que seu parceiro se sinta visto e ouvido. Isso cria uma ponte para cura e reparos profundos. Também diminui a atividade cerebral límbica (emocional) e permite uma comunicação lógica.
  • Você é responsável por criar um plano para não repetir o problema.
  • Seu parceiro pode se sentir seguro porque agora sabe que você tem um plano para evitar o problema.
  • Oferecer-se para ouvir ativamente evita o acúmulo de ressentimento e cria espaço para intimidade e reparo.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.